22 de outubro de 2012

Estagiária que aplicou café na veia declara que nunca havia dado injeção

A estagiária de enfermagem Rejane Moreira Telles, de 23 anos, que no último dia 14 aplicou café com leite na veia de Palmerina Pires Ribeiro, de 80 anos, morta horas após o procedimento, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, declarou ao Fantástico deste domingo (21) que nunca havia injetado qualquer tipo de medicação antes. Rejane, que segundo o delegado da 64ª DP, Alexandre Ziehe estava há apenas três dias no estágio, disse ter consciência do risco de injetar na veia o que seria aplicado em alimentação oral. "Mas, como tava junto, qualquer um se confunde", defendeu-se (veja a reportagem no vídeo acima).

O médico Armando Porto Carreiro, especialista em terapia nutricional do Hospital Antonio Pedro, da Universidade Federal Fluminense (UFF), discorda da afirmação de Rejane: "É bastante fácil de diferenciar um do outro".

Neste sábado (20), a estudante voltou a frequentar as aulas do curso técnico de enfermagem. Por telefone, o diretor da escola, que se identificou apenas como Sérgio, disse que ela é uma excelente aluna e que vai receber o diploma ao fim deste ano.

Em entrevista, a estagiária conta que, quando percebeu o erro, pensou em pedir ajuda. "Injetei o leite e botei pelo lugar errado. Me passou pela cabeça chamar a supervisora. Sendo que a outra menina que estava do meu lado, ela falou que sabia e que ia me ensinar. Ela pegou, falou pra mim e pra outra estagiária que estava do meu lado para ir fazendo os procedimentos. Mas não deu explicação nem de que e nem como. Continuou sentada no posto de enfermagem, brincando no celular", completou, antes de admitir que não tem preparo para o procedimento realizado. “Agora, no momento, não.”

Segundo os médicos, o café com leite foi direto para o coração e o pulmão, e Palmerina parou de receber oxigênio. "É como se o paciente estivesse sendo sufocado", explicou Armando Carneiro.

O delegado informou que acredita que as estagiárias receberam a ordem para fazer o procedimento. "Eu estou convencido que elas receberam uma ordem pra fazer. Mas, no curso, durante o curso e pelo supervisor da escola, também foi dito que elas não poderiam fazer sem a supervisão."

A polícia indiciou quatro pessoas por homicídio culposo, quando não há intenção de matar: as estagiárias Rejane e Luciana, e as técnicas de enfermagem Rayane e Adriele.

0 comentários:

Postar um comentário

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!