5 de julho de 2016

Manobra de 35 minutos decidirá o futuro da sonda rumo a Júpiter



  • Depois de uma jornada de quase cinco anos, a sonda Juno, da Nasa, está cada vez mais próxima de Júpiter - com o objetivo de justamente aprender mais sobre como foi formado o maior planeta de nosso Sistema Solar.
Para conseguir fazer com que a sonda entre na órbita do planeta, os cientistas da Nasa planejam uma manobra delicada: reduziram a potência dos motores de Juno para que a sonda possa ser puxada para a órbita.
Cada hora que passa é determinante para o sucesso da missão, mas o momento crítico será a partir os 35 minutos que começam às 3h18 (GMT) desta terça-feira (0h18 de Brasília).
Será nesse momento que a Juno precisará executar uma manobra de frenagem perfeita para entrar em órbita, o que deverá deixar os nervos à flor da pele de todos os que estão no centro de controle de missão no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês), na Califórnia.
Se a execução ocorrer com perfeição, a sonda passará os próximos 18 meses analisando o que ocorre abaixo das espessas nuvens de Júpiter.
Mas se a Juno não conseguir fazer a manobra, pode ser o fim da missão de US$ 1,1 bilhão lançada ao espaço em 5 de agosto de 2011.
Para piorar a ansiedade entre os controladores da missão, durante o tempo da manobra de frenagem Juno não terá sua antena principal apontada para a Terra. Isso quer dizer que a equipe da missão só poderá seguir os eventos por intermédio de uma série de sons simples que serão enviados pelas antenas menores da sonda.
E é bom lembrar que Júpiter é uma esfera gasosa que já foi descrita por especialistas como "um monstro que gira a tal velocidade que faz com que sua gravidade lance pedras gigantes, cometas e raios cósmicos para fora".

0 comentários:

Postar um comentário

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!