30 de julho de 2016

Músculos “normais” têm mais força do que músculos malhados

Um estudo da Universidade Metropolitana de Manchester, no Reino Unido, revelou que um grama do músculo de fisiculturistas, apesar da aparência reforçada, produz menos força do que uma grama do músculo de pessoas que não são fisiculturistas. O resultado da pesquisa indica que, nestas pessoas, a “qualidade muscular” é baixa, em comparação com as pessoas que possuem músculos normais.
Hans Degens, cientista principal do estudo, disse que, apesar de ficar surpreso com os resultados, ainda é cedo para tirar conclusões. Ele pretende realizar mais pesquisas que comprovem os primeiros indícios. “Parece que o crescimento muscular excessivo pode ter efeitos prejudiciais sobre a qualidade do músculo, e as pessoas podem estar melhores com músculos de tamanho normal do que com músculos grandes, metabolicamente mais exigentes”, revelou Degens ao jornal britânico The Telegraph.
A explicação de Degens é que a massa é o que fortalece os fisiculturistas, mas as gramas dos músculos acabam compensando a fraqueza. Entretanto, o estudo, publicado na revista científica Experimental Physiology também revelou que atletas de atividades intensas, como velocistas, que não costumam levantar pesos, também possuem mais força por grama de músculo do que os fisiculturistas.
Os testes analisaram amostras de músculos da coxa de doze fisiculturistas homens, seis corredores de alta performance e 14 homens fisicamente ativos apenas em exercícios que não envolviam pesos. A análise de contração das fibras permitiu a avaliação da qualidade do músculo, revelando um nível de qualidade muscular superior dos grupos opostos aos fisiculturistas.
“Nós não tivemos nenhuma indicação de que as proteínas que geram força — proteínas musculares-motoras — funcionam menos em fisiculturistas, mas pode ser que eles tenham menos proteínas por grama de músculo”, opinou Degens, que agora pretende descobrir o que pode causar tal diminuição na qualidade dos músculos de fisiculturistas.

Fonte: Jornal Ciência

0 comentários:

Postar um comentário

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!