6 de agosto de 2012

Mensalão: Defesa de José Dirceu vai atacar 'ilações' e 'fala fácil' de Gurgel

Defesa de Dirceu será feita nesta segunda-feira no STF  - Joedson Alves/AE

A fase de defesa no julgamento do mensalão no Supremo começa hoje com a manifestação dos advogados dos principais réus. Os defensores de José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e Marcos Valério são os primeiros a falar e tentarão desconstruir a acusação de que seus clientes formaram uma quadrilha para corromper parlamentares no Congresso. Também falará hoje o advogado de Ramon Hollerbach, ex-sócio de Valério na agência SMP&B.

Cada um dos advogados terá uma hora para fazer a sustentação oral. Primeiro a falar, José Luis Oliveira Lima tem a missão de convencer os ministros de que José Dirceu não era "chefe da quadrilha", como acusa o procurador Roberto Gurgel. Lima tem enfatizado constantemente não haver provas contra o cliente e diz que por falta de evidências Gurgel tem recorrido a "ilações" e a "fala fácil" para tentar incriminar o seu cliente. O advogado vai dizer que o ex-deputado Roberto Jefferson "inventou" o mensalão e negar a compra de apoio no Congresso.
Na sequência, será a vez do defensor de José Genoino, ex-presidente do PT. Seu advogado, Luiz Fernando Pacheco, defenderá que o cliente não tinha relação financeira com os outros citados. Ele vai sustentar que Genoino fazia apenas a negociação política de apoios, sendo de responsabilidade de Delúbio a movimentação de recursos do PT.

Em defesa do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares falará Arnaldo Malheiros Filho. Ele vai sustentar que os recursos movimentados pelo cliente eram "caixa dois" de campanha eleitoral, ou "recursos não contabilizados", como têm afirmado os petistas. Negará a compra de apoio político e destacará a "vida simples" de Delúbio para tentar afastá-lo de acusações de corrupção. Advogado de quem Gurgel chama de "operador" do mensalão, Marcelo Leonardo reclamou do tempo que terá para defender Marcos Valério. Ele destacou que o cliente foi citado 197 vezes pelo procurador durante a acusação na sexta-feira. Marcelo Leonardo pediu que o STF lhe concedesse mais tempo para falar, mas não foi atendido. Ele vai sustentar que os empréstimos de empresas do publicitário nos bancos Rural e BMG são legais e foram feitos a pedido do PT para saldar dívidas de campanha.

Último a falar nesta segunda-feira, o advogado Hermes Guerrero vai tentar mostrar aos ministros que Ramon Hollerbach não participou das negociações feitas por Marcos Valério com o PT. "Ele só é réu por ter sido sócio do Marcos Valério. Ninguém o conhece e não há nenhum depoimento ou perícia que mostre qualquer conduta criminosa do Ramon". Guerrero acredita que nem precisará da uma hora reservada para provar a inocência de seu cliente. "Para mim, 30 a 40 minutos serão suficientes."

0 comentários:

Postar um comentário

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!