1 de abril de 2013

Há exatos 32 anos os moradores dos municípios de Campo Redondo e Santa Cruz registraram a maior tragédia de suas vidas

Destruição da Rua Cel Severino Bezerra (Rua do Vapor) 1981

Uma simples ligação feita pela telefonista Maria de Fátima, informou que o Açude Mãe D’água, de Campo Redondo, estava próximo ao rompimento e alertou o prefeito Hildebrando Teixeira, em Santa Cruz, e fez com que milhares de vidas fossem salvas.

Cortada pela BR 226, a cidade de Campo Redondo está localizada a 135 km de Natal, contando com um clima semi-árido durante a maior parte do ano. Porém, no mês de junho, as festas juninas esquentam o frio aconchegante que é soprado da Serra do Doutor, obrigando as pessoas a usarem casacos durante a noite.

Ponte levada pela enchente de 1981

Imagem da Ponte arrastada pelas correntezas do Rio Trairi

As cenas da tragédia do dia 1º de abril de 1981, que desabrigou cinco mil pessoas e deixou o Estado do RN sem luz e água por cinco dias, ainda permanece na memória dos moradores do município de Campo Redondo e Santa Cruz.

Parede do Açude Mãe D'Água arrombada em 1981

Parede do Açude Mãe D’Água em Campo Redondo

Foram momentos de agonia que marcou as vidas dos cidadãos e fez heroína uma telefonista: Maria de Fátima da Silva, que fez contatos com o prefeito da época, Hildebrando Teixeira, para esvaziar a cidade antes do rompimento da barragem de Campo Redondo, distante 25 km de Santa Cruz, salvando milhares de pessoas.

Enchente de 1981

Local onde antes existia a ponte na entrada de Campo Redondo

Construção da Ponte - Após enchente de 1981

Reconstrução da Ponte, que liga Campo Redondo a BR-226

Apesar de ser o dia 1º de abril, conhecido como o dia nacional da mentira, o alerta da telefonista deu resultado e carros de som anunciaram a ameaça da enchente. Os moradores deixaram para trás suas casas e foram abrigados em prédios públicos ou regiões altas da cidade. Dentro de três horas a enxurrada das águas devastaria a cidade.

Santa Cruz devastada pela enchente

Conhecida como a maior tragédia natural do Estado, a enxurrada de 1º de abril de 1981 contabilizou seis mortes e 1.044 casas destruídas em SantaCruz. A correnteza das águas percorreu ainda cerca de 80 km (equivalente a distância entre Natal e Tangará) e atingiu outros quatro municípios.

Ponte próxima a entrada de Japi

Com 14 torres da rede de energia da Chesf derrubados, o Rio Grande do Norte permaneceu uma semana às escuras. Em Natal, o único hospital com gerador na época era o Walfredo Gurgel. Supermercados fechavam mais cedo com medo de assaltos. Sem energia, o bombeamento para abastecimento de água também foi comprometido.

O então governador Lavoisier Maia decretou estado de calamidade pública em toda a região do Trairi e levou fotos da tragédia ao presidente da República, João Figueiredo. O ministro do Interior na época, Mário Andreazza confidenciou ao prefeito de Santa Cruz só ter visto cena igual em guerra.

Com a solidariedade de todos, um grande mutirão envolveu as instituições públicas e privadas, ONGs, voluntários, igreja e as próprias vítimas. As três esferas do poder executivo esqueceram diferenças partidárias e também se uniram para reconstruir as cidades atingidas. As doações chegavam de todas as regiões do Brasil.

2 comentários:

  1. o telefonema foi para o monsenhor raimundo. franco..prefeito nao,,,fatima fala isso 32 anos, e esta gravado em minha memoria,, e o parde raimundo botou um carro de som para avisar que o açude de campo redondo estava em perigo; e que as pessoas desocupassse as casas,

    ResponderExcluir
  2. Essa postagem importante a minha Terra Querida Santa Cruz/RN,irei mencionar e discutir com meus alunos de História.

    ResponderExcluir

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!