24 de fevereiro de 2015

De José Agripino para George Olímpio: ‘Falta R$ 700 mil para dar o mesmo que deu a Iberê’

agripino

Vítima de uma chantagem do senador José Agripino Maia, presidente nacional do DEM. Foi assim que o advogado George Olimpio afirma ter se sentido quando encontrou o parlamentar no apartamento dele em Natal e aceitou pagar R$ 1,150 milhão para manter o projeto de implantação da inspeção veicular no Estado – processo criminoso denunciado em 2011, pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte, na Operação Sinal Fechado. O detalhamento desse “sentimento” foi relevado em reportagem especial exibida pelo Fantástico, da Globo, na noite deste domingo.

“Subimos para a parte de cima do apartamento do senador José Agripino e começamos a conversar e ele disse que: George, a informação que nós temos é que você deu R$ 5 milhões para a campanha de Iberê. Eu dei R$ 1 milhão para a campanha de Iberê. ‘Pois é e tal… como é que você pode participar da nossa campanha?’ Eu falei: R$ 200 mil, tenho condição de te conseguir esse dinheiro já. Na semana que vem eu te dou R$ 100… Aí ele disse: ’pronto, aí vai faltar R$ 700 para você dar a mesma coisa que deu para a campanha de Iberê’”, narrou George Olimpio em vídeo feito pelo MPRN durante a delação premiada.

“Para mim, aquilo foi um aviso bastante claro que, ou você participa, ou perde a inspeção. Uma forma muito sutil, mas uma forma de chantagem. R$ 1,150 milhão foram dados em troca de manter a inspeção”, acrescentou o réu na reportagem especial, repercutida nos principais sites de notícias do País, como o Globo.com.

É importante ressaltar que essa não foi a primeira vez que José Agripino foi citado na investigação da Operação Sinal Fechado, deflagrada pelo MPRN em 2011 para desbaratar o esquema criminoso montado no Estado para implantar a obrigatória inspeção veicular. Em 2012, outro réu do processo, Alcides Barbosa, também afirmou que o presidente nacional do DEM tinha cobrado R$ 1 milhão para manter o projeto de implantação no governo da correligionária Rosalba Ciarlini, que se iniciaria em 2011.

O depoimento de Alcides, que corroborava o de outro réu, José Gilmar, conhecido como Gilmar da Montana (prestado em 2011, mas alvo de um pedido de desconstituição pelos advogados dele), foi alvo de críticas e da negativa do próprio George Olimpio, que na época não tinha assinado o acordo de delação premiada. George, acusado pelo MPRN de ser o mentor do grupo criminoso, disse que eram mentirosas todas as declarações de Alcides, tanto as que acusavam ele, quanto as sobre José Agripino.

E foi justamente essa declaração da época de George Olimpio que o senador potiguar se utilizou para pregar a inocência na matéria exibida pelo Fantástico. Em Miami, nos Estados Unidos, José Agripino confirmou ao Fantástico que conhecia George Olimpio, que seria parentes de amigos do pai do senador. Confirmou também que George o visitou na casa dele, em Brasília, e no apartamento dele em Natal.

“Eu nunca pedi nenhum dinheiro, nenhum valor a George Olimpio conforme ele próprio declarou em cartório, não me deu R$ 1 milhão em hipótese nenhuma”, afirmou José Agripino, acrescentando que é “uma infâmia, uma falta de verdade. É completamente falso e faltando com a verdade”, afirmou José Agripino em entrevista.

Jornal de Hoje

0 comentários:

Postar um comentário

SUA OPNIÃO É MUITO IMPORTANTE!